-
-

LONGA É A ARTE, TÃO BREVE A VIDA

-
-
-

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Borboleta Leoa, de Ana Luisa Kaminski, 2006.

Um artista, ao ouvir a campainha, abriu a porta e estranhou, pois não havia ninguém. Notou um envelope jogado no jardim. Caminhou em direção aos meninos que brincavam na calçada e perguntou:
- Crianças, viram alguém passar aqui agora?
Uma delas respondeu:
- Sim. Um homem queria saber onde morava o artista. Apontamos para sua casa.
- Ele disse alguma coisa a mais?
- Apenas que era o mensageiro das artes.
O artista olhou em volta e viu um homem no fim da rua. Correu em direção e, ao virar a esquina, uma forte luz o cegou por instantes. Sentiu um aroma de essência no ar e algumas penas caindo. Ao voltar, uma das crianças perguntou:
- Não vai ler a mensagem?
O artista abriu a carta e leu em voz alta:
Há uma tênue linha entre a arte e a vida; entre a fantasia e a realidade.

3 comentários:

MARTHA THORMAN VON MADERS disse...

Lindo aqui. Esta linha transparente pode ser rompida a qualquer momento por nós, humanos.
Desejo a você uma ótima semana.

Tais Luso de Carvalho disse...

Patrick, a Ana Luisa é um talento! Conheço vários trabalhos dela e são todos belos.

Abraços
Tais

Analuka disse...

Olá!Lindo teu texto.Bom encontrar um de meus trabalhos aqui. Na verdade, esta aquarela é uma releitura da obra klimtiana "As Três Idades". Bom partilhar arte com outras almas. Abraço alado.