-
-

LONGA É A ARTE, TÃO BREVE A VIDA

-
-
-

sexta-feira, 23 de maio de 2008

A Noite Estrelada, de Vincent van Gogh, 1889.

Então, um homem lhe disse no meio da multidão que se formava:
- Mestre das artes, diga-me como posso observar a arte sem me sentir frustrado?
O mestre lhe perguntou em seguida:
- Homem, qual é o motivo de sua frustração?
E o homem da multidão respondeu:
- Não consigo entendê-la.
O mestre, com sabedoria, explicou:
- Cuidado para não enxergar apenas o óbvio; pois em qualquer lugar tudo aquilo que salta à vista, de imediato, é um perigo.
- Que perigo corro eu, Senhor das artes?
- O irmão já dissera anteriormente: toda vez que ao observar uma obra de arte se sentir frustrado significa que apenas o óbvio foi contemplado. Só sai vitorioso quem possui olhos para ver, ouvidos para escutar e boca para falar.
O mestre lhe contou em seguida uma estória:
- Havia um homem muito rico cuja fortuna lhe dava poder de adquirir muitas obras de arte; e regozijava-se a cada nova aquisição. O que farei se não há lugar para colocar tanta arte? Já sei, refletiu: construirei uma casa ainda maior. Terei agora mais espaço para tantas outras que hei de possuir. E o rico homem vivia frustrado, pois apenas enxergava as obras e somente o silêncio reinava na grande casa repleta delas.
E o mestre finalizou:
- É o que acontece a qualquer um que insiste em permanecer no óbvio das coisas.

3 comentários:

Piramax disse...

viva a arte.
parabéns pelo seu site.
sucesso!

Flávia disse...

e pensar que estamos todos anestesiados e cegos... amei seu blog, prossiga!
bisous

Vera Martins Itajaí disse...

Adorei transitar pelas paisagens da sua alma nesse canteiro estéticamente seletivo, párabéns!
Vincent Van Gogh era a própria estrela, que brilha e ilumina os caminhos da poesia que vemos na arte!
abçs
Vera